Surfista perde prancha no Havaí e a localiza dois anos depois, a 8 mil km, nas Filipinas

A prancha de Doug Falter foi de Waimea Beach até a ilha de Olivan e foi encontrada por um pescador que a vendeu por 40 dólares para o professor filipino Giovanne
Facebook
WhatsApp
Twitter

Imagine perder um objeto, como sua carteira, por exemplo, e dois anos depois, alguém encontrá-la em outro país? Pois foi mais ou menos essa a situação que viveu Doug Falter, que mora no Havaí. No dia 3 de fevereiro de 2018, ele estava pegando onda na Baía de Waimea, no North Shore da Ilha de Oahu, quando caiu, e o “strep” – a cordinha que prende a prancha ao tornozelo do surfista – se soltou.

Ele, que é fotógrafo, viu sua prancha sumir na água. Quem diria que, em 2020, ela seria encontrada no Sudeste da Ásia? Do Havaí até as Filipinas, a prancha de Doug viajou 8.368 km, ou seja, uma distância que seria um pouco maior do que entre o Rio de Janeiro, no Brasil, e Madri, na Espanha.

– Eu remei, mas não consegui encontrá-la, porque as ondas estavam realmente grandes. O oceano é muito perigoso nessas condições. Fui até a praia para tentar procurá-la, subi umas pedras e fiquei procurando até anoitecer. Não a encontrei. A prancha não teve danos quando caí dela, então achei que poderia encontrá-la intacta. Aparentemente, um pescador encontrou minha prancha em uma ilha com formato de ovo no sul das Filipinas (ilha de Olivan, em Sarangani). Eu não sei exatamente quando foi isso, mas faz algumas semanas – disse ele, que trabalha com fotografia na produtora havaiana FX Group, em entrevista ao ge.

De um lado, o filipino que está com a prancha. Do outro, Doug Falter. Dá para ver a diferença da cor na foto — Foto: Arquivo Pessoal

De um lado, o filipino que está com a prancha. Do outro, Doug Falter. Dá para ver a diferença da cor na foto — Foto: Arquivo Pessoal

A esperança de Doug era que a prancha reaparecesse em algum ponto do North Shore, já que ele já tinha escutado histórias como a sua. Ele então imprimiu fotos, fez posts (como abaixo) nas redes sociais e avisou a alguns pescadores para o caso de encontrarem a prancha. Alguns meses depois, um amigo do fotógrafo perdeu sua prancha no Havaí. Ela apareceu na praia, e o rapaz a encontrou através de uma postagem no Facebook. Casos como esse enchiam o surfista de esperança, mas o tempo foi passando, e nada de a prancha aparecer.

– Essa prancha era muito especial para mim porque surfei as maiores ondas da minha vida com ela. Foi a minha primeira prancha de surfe de ondas grandes customizada – lembrou, acrescentando que já tinha a prancha há cerca de dois anos antes do incidente e que, inclusive, surfou com ela no “The Eddie” de 2016, o tradicional evento de ondas grandes que homenageia o lendário Eddie Aikau, surfista e salva-vidas.

O pescador das Filipinas pegou a prancha com sua rede e, inicialmente, pensou se tratar de um barco. E então, posteriormente, a vendeu para um homem por cerca de 40 dólares (222 reais). O rapaz, que se chama Giovanne, acabou reconhecendo a prancha perdida por causa do logotipo e resolveu procurar o shaper que a fez, Lyle Carlson, nas redes sociais. Ele então colocou o homem em contato com Doug. A prancha, que era azul clara e cinza, ficou desbotada. Mas foi localizada.

– História do surfe! Meu amigo fotógrafo Doug Falter me pediu para fazer uma prancha em 2016, mas não ficou feliz com o tom escuro de azul e eu disse a ele: “não esquenta, faremos outra”. Essa acabou indo para o Caio Vaz, que surfou em Jaws. A nova prancha, azul clara e cinza, virou uma das favoritas de Doug para Waimea. Em 3 de fevereiro de 2018, depois de uma grande sessão, ele perdeu a pranchal… Corta para essa noite, quando recebi uma mensagem do meu novo amigo Giovanne, das Filipinas! A prancha chegou lá sozinha! Me lembra do WILSON 🏐 do “Náufrago”. Talvez a gente possa visitar a prancha, o Giovanne disse que a água é incrível lá – publicou o shaper.

Giovanne, o rapaz que está com a prancha, é um professor e não entende nada de surfe, mas tem a intenção de aprender. Ele leciona no ensino fundamental e médio para 150 alunos. Doug e ele estão em contato, e o filipino pediu algumas revistas de surfe para animar as crianças e ajudá-las a aprender inglês.

– Eu não tenho a intenção de pegar a prancha de volta porque sei que será difícil para vir das Filipinas. Se eu tiver a chance, vou garantir que ele ganhe outra para substituí-la – falou o fotógrafo, que contou também que o homem tem pedido dicas de vídeos de surfe no Youtube, e os dois conversam frequentemente.

Giovanne, o professor das Filipinas que está com a prancha de Doug Falter  — Foto: Arquivo Pessoal

Giovanne, o professor das Filipinas que está com a prancha de Doug Falter — Foto: Arquivo Pessoal

Doug teve uma ideia de ajudar Giovanne. Ele abriu uma vaquinha virtual para criar um kit básico com alguns equipamentos e as revistas para as crianças para que o professor possa aprender melhor a surfar e ainda ajudar seus alunos. Segundo o fotógrafo, não há lojas específicas que vendam artigos de surfe no local onde o filipino mora, nem mesmo uma cera para que ele possa iniciar.

– Saber que minha prancha caiu nas mãos de um homem que quer aprender o esporte me dá alegria e um sentimento de encerramento ao mesmo tempo – disse na página da vaquinha virtual (confira aqui!), onde ele já arrecadou 1.143 dólares, mais que o dobro que buscava (500).

Giovanne, o professor que está com a prancha do fotógrafo do Havaí, dando aulas — Foto: Arquivo Pessoal

Giovanne, o professor que está com a prancha do fotógrafo do Havaí, dando aulas — Foto: Arquivo Pessoal

Giovanne nas aulas que leciona nas Filipinas — Foto: Arquivo Pessoal

Giovanne nas aulas que leciona nas Filipinas — Foto: Arquivo Pessoal

Giovanne com a prancha de Doug Falter nas Filipinas — Foto: Arquivo Pessoal

Giovanne com a prancha de Doug Falter nas Filipinas — Foto: Arquivo Pessoal

Ilha de Olivan, nas Filipinas, onde a prancha foi encontrada — Foto: Arquivo Pessoal

 

 

 

FONTE: G1 

Deixe um comentário

famacia da farmilia anigif
Sequência 01_1
390eb22f-9320-48b4-a41f-6e816a9e61a4
13anos-interativafm-feed (1)