SEM SEGURANÇA- Servidoras afirmam serem agredidas por paciente no João Paulo II

Caso aconteceu no início desta semana em Porto Velho
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter
Rondoniaovivo recebeu um vídeo que mostra a destruição na sala de triagem do Hospital João Paulo II, em Porto Velho (RO). Profissionais de saúde acusam uma paciente de ter agredido os servidores e quebrado equipamentos de trabalho. O caso aconteceu na última segunda-feira (18).
Uma paciente psiquiátrica agrediu a enfermeira, agrediu a técnica, arrancou o cabelo da técnica, quebrou o computador, isso aqui é pra gravar para ver que o funcionário que tá na classificação de risco não tem proteção nenhuma”, narra uma servidora ao fundo do vídeo.
A mulher não identificada, afirma que a exposição não é para condenar a paciente, mas sim a direção da unidade hospitalar que segundo ela, não teria disponibilizado um serviço de segurança para os profissionais de saúde.
A colega aqui apanhou, a outra levou murro no estômago, cabelo arrancado e nós não temos nenhuma proteção por parte da gestão para cuidar dos nossos servidores que estão atendendo a população. Nós não estamos falando da paciente psiquiátrica, nós estamos falando da falta de segurança com o servidor dentro do hospital”, desabafa a servidora revoltada.
As imagens mostram duas profissionais agredidas, sentadas em uma cadeira, passando mal. Ao Rondoniaovivo, fontes confirmam que as vítimas foram duas técnicas em enfermagem e uma enfermeira.
Sindsaúde critica falta de segurança
A reportagem procurou o Sindicato dos Trabalhadores em Saúde de Rondônia (Sindsaúde). De acordo com a presidente, Célia Campos, a omissão por parte do governo em oferecer uma equipe de segurança é um absurdo.
“Eu acho que o governo tem que colocar seguranças de verdade, principalmente lá no JPII que é um hospital que entra todo tipo de paciente, então precisa dar uma segurança para o pessoal da triagem. Nós não podemos aceitar isso, pois esse paciente atingiu uma senhora no estômago, e ela ficou muito mal”, declara a presidente.
Célia relata que além receberem um salário defasado, os profissionais ainda sofrem agressões devido a essa falta de apoio por parte de quem deveria prestá-lo.
“Eu acho que o governo tem que dar mais segurança para os servidores. Esses servidores são maltratados ai devido a pandemia, desanimados por causa do salário que não condiz com o seu custo de vida e ainda vem agressão por pacientes”, ressalta.
Rondoniaovivo entrou em contato com a Secretaria de Estado de Saúde (Sesau), mas até o final desta matéria não obteve resposta.
Fonte: Rondoniaaovivo

Deixe um comentário

No data was found
Lat. 02 – RADIO
Lateral 03 – Nov. Azul Radio
%d blogueiros gostam disto: