Seis pontes são destruídas durante operação contra crimes ambientais na terra indígena Karipuna em RO

O Conselho Indigenista Missionário diz que a invasão é problema cada vez maior na região.
Facebook
WhatsApp
Twitter

As ações da Polícia Federal na Operação Crepitus, que reprime a entrada de invasores na Terra Indígena Karipuna em Rondônia, terminou neste final de semana. Até a quinta-feira (27) pelo menos seis pontes clandestinas foram implodidas na área.

A equipe de comando tático especial da PF de Brasília coordenou as implosões. As pontes foram feitas de maneira improvisada por invasores, para facilitar a entrada de veículos e a saída de madeira retirada ilegalmente da Terra Indígena.

Operação Crepitus, que em latim significa “explosão”, começou na última segunda-feira, envolveu mais de 80 agentes da Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Fundação Nacional do Índio (Funai), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Força Nacional.

A ordem deles era destruir também maquinários utilizados por invasores, mas não foram encontrados. Ninguém foi preso.

Operação na Terra Indígena Karipuna em Rondônia  — Foto: PF/Divulgação

Operação na Terra Indígena Karipuna em Rondônia — Foto: PF/Divulgação

A representante do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), Laura Vicuña, destacou que a questão da invasão é cada vez maior na região. Em área que deveria ser preservada são encontradas pastagem para gado, plantação de milho e de café que são usadas como tentativa de legitimar a posse da terra.

“A operação é resultado das inúmeras denúncias que o povo vem fazendo quanto à invasão de seus territórios. São 13 pontes de acesso a terra Karipuna feitas pelos invasores e a gente sabe que o que comanda a região é a presença do crime organizado. Essas ações devem ser permanentes para manter o território livre de invasores”, comentou.

Fonte: G1

Deixe um comentário

Imaral – lateral 01 – CPU
Smart Andrade – lat 02 – CPU
IMARAL – Laterall 03 – GIF – ANIVERSARIO
%d blogueiros gostam disto: