Mãe presa em Porto Velho diz que matou e esquartejou bebê para seguir com relacionamento

Mulher matou o próprio filho de quatro meses em Mato Grosso - Foto: Reprodução.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Ramira Gomes da Silva, de 22 anos, presa no dia 18 de maio em Porto Velho, acusada de matar o menino Brian, de apenas quatro meses, confessou que assassinou o próprio filho e cortou seus braços e pernas para seguir com um relacionamento. Em depoimento, ela deu detalhes de como, de forma cruel, cometeu o homicídio e também como foi a sua fuga.

A mulher alegou, em depoimento, que matou a criança para seguir com um relacionamento. A investigada tem outro filho, que é criado pelos avós paternos. Natural do estado do Acre, ela morava em Sorriso desde fevereiro deste ano.

Ao delegado José Getúlio Daniel, ela disse que após matar e esquartejar o menor, foi a um supermercado onde comprou produtos como bicarbonato de sódio, álcool e água sanitária, que usou para terminar de limpar a cozinha. Depois disso, ela descansou na varanda da casa e à tarde foi ao dentista, seguindo depois para a rodoviária, onde consultou horários de ônibus.

Por volta da meia noite, após arrumar as malas, foi até a rodoviária, onde comprou uma passagem para Cuiabá. Na Capital, ela chegou no sábado de manhã e conseguiu comprar outra passagem, desta vez para Porto Velho, embarcando por volta das 10h. No domingo à tarde, chegou à capital de Rondônia.

Ela dormiu na rodoviária e na manhã da segunda-feira, 17 de maio, comprou uma passagem de barco a fim de seguir até Manaus. Ainda na segunda-feira, informou que recebeu mensagem de uma familiar pedindo explicações e falando que a Polícia Civil havia localizado o corpo do bebê.

Em seguida, Ramira foi para a barca, permanecendo no local até o momento em que foi presa, na manhã da terça-feira, por policiais civis de Porto Velho.

Crueldade

O bebê foi morto na sexta-feira, 14 de maio, por volta das duas horas da madrugada. Em depoimento ao delegado José Getúlio, na segunda-feira (24), ela confessou que matou o filho sufocando-o enquanto ele dormia em um carrinho de bebê.

Ramira conta que fez uma primeira tentativa pressionando um travesseiro contra a cabeça do pequeno para asfixia-lo, mas depois de um minuto notou que ele estava vivo, respirava e chorava.

Ainda de acordo com o depoimento, a investigada relatou que fez novamente o mesmo movimento para asfixiar o bebê, pressionando o travesseiro com mais força sobre a cabeça por aproximadamente três minutos e que não ouviu nenhum barulho, pois alegou que estava agitada com a situação.

Após esse tempo, ela o pegou no colo e constatou que ele não estava respirando e não tinha nenhum outro movimento. Depois de ir ao banheiro, ela pegou o corpo do bebê e o colocou na pia da cozinha, onde cortou braços e pernas, a fim de facilitar a ocultação do cadáver.

Em seguida, colocou os membros do filho dentro de duas latas de bebida láctea, embalou-as em sacos de lixo e depositou na lixeira. O restante da vítima foi enterrado em uma cova rasa, no quintal da casa.

O delegado José Getúlio concluiu o inquérito nesta terça-feira, com o indiciamento da investigada por homicídio qualificado (meio cruel, motivo torpe, asfixia e impossibilidade de defesa da vítima) e ocultação de cadáver. A Polícia Civil segue a investigação para apurar se há envolvimento de terceiros no crime.

Por Wesley Santiago

Fonte:Olhar direto

Deixe um comentário

CPU, LATERAL, ANUNCIE AQUI
No data was found
No data was found
%d blogueiros gostam disto: