Indígena de 86 anos morre por Covid-19 em Rondônia, diz ONG

Esse é o segundo óbito registrado na aldeia Karitiana. Enedina Karitiana estava internada há 7 dias; ela era mãe de Gumercindo Karitiana, primeiro indígena que morreu por coronavírus no estado.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Uma indígena de 86 anos do povo Karitiana, identificada como Enedina Karitiana, morreu por Covid-19 em Rondônia. A informação foi confirmada pela Associação de Defesa Etnoambiental Kanindé e o Conselho Distrital de Saúde Indígena (Condisi) nesta quinta-feira (4).

De acordo com a ONG, Enedina estava internada há sete dias no Hospital e Pronto Socorro João Paulo II. O óbito deve ser informado no boletim informativo da Secretaria Estadual de Saúde (Sesau), previsto para sair no fim da tarde desta quinta.

Esse é o segundo óbito na aldeia Karitiana, que fica a 90 quilômetros da capital Porto Velho. Na noite de 25 de maio, Rondônia registrava a primeira morte de indígena com o novo coronavírus.

A vítima, o líder indígena Gumercindo da Silva Karitiana, de 66 anos, era tio de Elivar Karitiana, vice-presidente do Condisi. “Confirmo sim. Ele estava com Covid-19. Estava entubado há dois dias”, disse Elivar, emocionado. Segundo Elivar, Enedina era mãe de Gumercindo.

O arcebispo de Porto Velho e presidente do Cimi, Dom Roque Paloschi, chegou a mencionar que a tendência é ter mais confirmações de Covid-19 entre indígenas. “Sim, podem ser muito mais. Eles são obrigados a vir para a cidade e há pessoas nas terras indígenas”, disse.

Até quarta-feira (3), Rondônia acumulava 180 mortes por Covid-19 e 5.714 casos confirmados da doença.

Temor pelo avanço

Na ocasião, Funai e Ibama afirmaram estarem atuando para combater o avanço do vírus em terras indígenas com medidas como o bloqueio de entradas das aldeias e ações de comando e controle contra ilícitos ambientais nas áreas federais.

Dom Roque Paloschi contou que o Cimi orienta que os indígenas cumpram com as recomendações das autoridades de saúde de permanecerem dentro das aldeias para evitar a disseminação da doença. “Mas diante da desassistência, eles são obrigados a chegar nas cidades, e isso é um risco maior”, reforçou o presidente.

Fonte: G1 RO

Deixe um comentário

Lat. 03 cpu, live
lat02-gif papo livre
No data was found
%d blogueiros gostam disto: