DÚCTIL: ‘Minha vida inteira foi com a missão de prender bandidos’, diz Marcos Rocha

Governador afirmou que Controladoria Geral do Estado irá apoiar as responsabilidades dos envolvidos em corrupção
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

O Governo de Rondônia vem a público esclarecer que a operação Ductil, da Polícia Federal, ocorrida na manhã de quarta-feira (10), não teve como alvo o secretário de Estado de Saúde Fernando Máximo e nenhum outro servidor do Estado, mas, sim, empresas e seus empresários.

Assim, a atuação da Polícia Federal, no âmbito da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), consistiu na execução de diligências que não resultaram em prisão de nenhum servidor público. Vale frisar que a Sesau se coloca à disposição para a instrução do processo.
O governador Marcos Rocha, apoiou a ação da Polícia Federal, e disse que corruptos devem ser presos. “Qualquer servidor que for pego usando o cargo de forma indevida será exonerado. Sou um oficial, policial, e minha vida inteira foi com a missão de prender bandidos”, declarou.
PROVIDÊNCIAS DO ESTADO 
Em relação aos fatos apurados, o Estado de Rondônia, através da Controladoria Geral do Estado (CGE), abriu de imediato o processo n. 0007229218/2020-36 que, por meio da assessoria especial de transparência, prevenção e combate à corrupção, vai apurar responsabilidade  das pessoas jurídicas envolvidas com possível prática de corrupção na forma do Decreto n. 23.907/19, lançado ano passado pela atual gestão no pacote de medidas anticorrupção.
Não obstante, o fato de nenhum servidor ou agente público do Estado de Rondônia ter tido detenção ou prisão durante a diligência, a Sesau e CGE também irão proceder apuração, na forma regimental, para verificar eventual conduta funcional.
FONTE: Rondoniaovivo

Deixe um comentário

Lat. 03 cpu, live
lat02-gif papo livre
No data was found
%d blogueiros gostam disto: