Brasil volta a cair em ranking de combate à corrupção

País é 10º no Índice de Capacidade de Combate à Corrupção; Uruguai lidera a lista pelo 3º ano seguido
Facebook
WhatsApp
Twitter

O Brasil voltou a cair no Índice CCC (Capacidade de Combate à Corrupção), levantamento elaborado pelo fórum AS/COA (American Society/Council of the Americas), sediado nos EUA, e pela empresa de consultoria de risco global Control Risks. O estudo considera 15 países da América Latina. Juntos, são responsáveis por 92% do PIB da região –entenda a metodologia ao final do texto.

O país foi da 6ª posição em 2021 para a 10ª em 2022, mas está acima da média regional, o que significa que os “retrocessos dos últimos 3 anos” não reverteram totalmente as “décadas de fortalecimento” das instituições, segundo o levantamento.

Eis o ranking da América Latina:

O relatório de 43 páginas destaca que o STF (Supremo Tribunal Federal), o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) e os veículos de mídia, alvos frequentes de críticas do presidente Jair Bolsonaro (PL), mantiveram-se independentes.

No entanto, o documento diz que a variável que avalia a independência e eficiência de agências anticorrupção caiu quase 19%. Acusa Bolsonaro de tentar “consolidar o controle sobre os órgãos que investigam supostos casos de corrupção envolvendo seus aliados”.

Afirma também que “agências anticorrupção independentes, como o Conselho de Controle de Atividades Financeiras, sofreram cortes orçamentários, limitando sua capacidade de investigação e supervisão”.

AMÉRICA LATINA

O Uruguai continua sendo o país com melhor desempenho no Índice CCC pelo 3º ano consecutivo, seguido em 2022 de Costa Rica e Chile. O Brasil encontra-se à frente de Paraguai, México, Guatemala, Bolívia e Venezuela.

Segundo o relatório, países com pontuação mais alta são considerados “mais propensos a ver atores corruptos processados e punidos”, enquanto nos com pontuação mais baixa, seria “mais provável uma continuação da impunidade”.

METODOLOGIA

O levantamento é realizado pelo fórum AS/COA (American Society/Council of the Americas), dedicado à educação e ao debate no continente americano, e pela empresa de consultoria de risco global Control Risk.

O índice avalia e classifica 15 países da América Latina –juntos, respondem por 92% do PIB (Produto Interno Bruto) da região– por meio da sua eficácia para combater a corrupção.

São levadas em conta 14 variáveis:

  • independência e eficiência do Judiciário;
  • independência e eficiência das agências anticorrupção;
  • acesso à informação pública e transparência geral do governo;
  • independência e recursos para o Ministério Público e investigadores;
  • nível de especialização e recursos disponíveis para combate a crimes de colarinho branco;
  • qualidade de instrumentos de colaboração premiada;
  • nível de cooperação internacional na aplicação de lei;
  • qualidade e cumprimento da legislação de financiamento de campanha;
  • processos legislativos e normativos;
  • qualidade geral da democracia;
  • mobilização da sociedade civil contra a corrupção;
  • melhorias na educação;
  • qualidade da imprensa e do jornalismo investigativo;
  • comunicação digital e redes sociais.

Os dados usados foram extraídos de:

  • Basel Istitute of Governance;
  • Freedom House;
  • Harvard Electoral Integrity Project;
  • International IDEA;
  • International Budget Partnetship;
  • Newzoo Global Mobile Market Report;
  • Repórteres sem Fronteiras;
  • Unesco;
  • Banco Mundial;
  • Fórum Econômico Mundial;
  • Projeto de Justiça Mundial.

Segundo o relatório, o objetivo do Índice CCC “não é envergonhar ou apontar dedos a países, mas promover um debate baseado em políticas públicas, que ajude governos, a sociedade civil e o setor privado a identificar –por meio de dados e uma metodologia robusta– áreas de sucesso e deficiências a serem abordada”.

 

Fonte: Poder360

Deixe um comentário

Anuncie aqui – Lat
Lateral 03. CPU – FINAL DE ANO RÁDIO
LATERAL – ANIVERARIO RADIO
%d blogueiros gostam disto: