Bala de canhão com mais de 100 anos é achada sem querer em SP: ‘Relíquia’

Objeto foi visto na Fortaleza da Barra Grande, em Santa Cruz dos Navegantes, por uma monitora que pintava as muralhas dos pavilhões.
Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no whatsapp
WhatsApp
Compartilhar no twitter
Twitter

Uma bala de canhão fabricada há mais de 100 anos foi encontrada em Guarujá, no litoral de São Paulo. O artefato histórico foi visto na na Fortaleza da Barra Grande, em Santa Cruz dos Navegantes, por uma monitora que pintava as muralhas dos pavilhões. O objeto ficará em exposição na Fortaleza junto com outros artefatos encontrados na propriedade.

Segundo apurado pela reportagem, ela foi encontrada na última quinta-feira (1º). O objeto esférico é uma bala de canhão de alma lisa, um tipo de canhão usado no Brasil entre os séculos XVIII e XIX, como explica o arquiteto do Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), Victor Hugo Mori.

O arquiteto explica, ainda, que é necessário fazer uma análise da posição em que a bala foi encontrada, além de suas medidas e dimensões. “Não dá para saber a data exata do objeto. Ele é uma relíquia, um artefato de achado fortuito, que significa que foi encontrado acidentalmente, sem fazer parte de uma pesquisa”, explica.

Ele ainda ressalta que é previsto na lei que o objeto seja de posse da União e do Iphan, mas ficará em exposição na Fortaleza. O arquiteto explica que uma pesquisa mais aprofundada e a relação com outros objetos ajudaria a identificar a data em que ele foi fabricado. “Um objeto não conta uma história, mas a articulação com outros artefatos conta”, explica.

Artefato foi encontrado em Guarujá, no litoral paulista — Foto: Divulgação/ Prefeitura de Guarujá

Artefato foi encontrado em Guarujá, no litoral paulista — Foto: Divulgação/ Prefeitura de Guarujá

Para o arqueólogo Manuel Gonzalez, o objeto tem uma importância histórica. Ele diz que o objeto tem cerca de 100 anos, e que uma pesquisa aprofundada no local ajudaria a descobrir mais a respeito do artefato. “[O encontro do objeto] é um pontapé inicial para um trabalho arqueológico maior. No ponto de vista arqueológico é um achado muito importante.”, explica.

O especialista conta que uma pesquisa no local pode permitir que outros objetos sejam encontrados. “Podemos encontrar outros artefatos, cerâmicas, e encontrando esses materiais é possível datar. Após faze o registro e começarem as pesquisas conseguimos contextualizar”, relata.

Segundo a prefeitura, também foi realizada uma vistoria técnica feita pelo Estúdio Sarasá, em parceria com a Secult e o Iphan, para a confecção de um manual de conservação da Fortaleza. Eles explicam que o intuito é estabelecer quais os cuidados necessários que devem ser dados à fortificação para que ela se torne Patrimônio Mundial da Unesco, em uma votação que ocorrerá em 2022.

Em Guarujá (SP), Fortaleza da Barra Grande foi construído em 1584 para proteger a baía de Santos — Foto: Divulgação/Prefeitura de Guarujá

 

 

 

fonte: g1 

Deixe um comentário

CPU, LATERAL, ANUNCIE AQUI
No data was found
No data was found
%d blogueiros gostam disto: